Apresentação

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

sábado, 3 de novembro de 2018

Convidado 2018 - Carlos Malta



Carlos Malta 
 
Conhecido como “Escultor do Vento”, o músico dos sopros Carlos Malta é multi-instrumentista, compositor, orquestrador e educador, sendo um artista que possui um estilo totalmente original e criativo. Seus CDs ressaltam pluralidade e um espírito brasileiro presente em toda sua obra gravada: Rainbow, em duo com o violoncelista suíço Daniel Pezzotti, indicado ao Prêmio Sharp; O Escultor do vento, onde mostra suas composições em over-dubbing, tocando consigo mesmo seus sopros e criando um som orquestral; Carlos Malta e Pife Muderno, indicado ao Grammy Latino e onde Malta pôde elaborar e desenvolver um nova leitura para a performance das bandas de pífano; Tudo Coreto, com sua banda Coreto Urbano, metais e percussões, apresenta arranjos modernos calcados na tradição das bandas do interior; Pimenta, homenagem a Elis Regina, recriando clássicos eternizados pela voz da cantora, que vai para sua 3ª edição; Pixinguinha Alma e Corpo, mostra seus arranjos para sopro e quarteto de cordas sobre a obra do mestre Pixinguinha; Ponto de Bala, uma coletânea de 10 anos de carreira solo; em 2006 PARU com o Pife Muderno em homenagem a Paru, pajé da tribo Yawalapiti do Alto-Xingu. Em 2009 Malta lança novos CDs distribuídos na Dinamarca: Live Brasil com o Pife Muderno e a Big Band do Royal Conservatory of Music (Aarhus/DK); After the Carnaval em trio com o pianista dinamarquês Thomas Clausen e a violonista brasileira Célia Malheiros; Tudo azul com seu Quarteto SP, visita originais do samba-jazz, e o mais recente Carlos Malta e Pife Muderno - Ao vivo na China. Como educador deu aulas na Berklee School, no Conservatório da França, Universidade da Flórida, na Dinamarca no Rytmisk Conseravtory (Copenhagen) e no Royal Conservatory of Music (Aarhus) onde ministrou um curso de dois meses, encerrando com um concerto de gala , como solista a frente da big band da academia. Como band líder apresentou-se na China, França, Suíça, Inglaterra, Portugal, Estados Unidos, Alemanha, Holanda, Dinamarca, Suécia, África do Sul, Marrocos, Japão, Venezuela, República Dominicana e em Cuba. No Brasil, apresenta-se nas principais cenas da música instrumental do país. Sua carreira tem sido plural, com participações especiais nos shows de Bob Mc Ferryn, Dave Matthews Band, Snarky Puppy, Michel Legrand, Chucho Valdéz, Roberto Carlos & Caetano Veloso no tributo a Tom Jobim, Edu Lobo. Sua Suíte Os elementos em 5 movimentos, foi interpretada em primeira audição mundial pela Orquestra Petrobras Sinfônica (OPES) juntamente com o Pife Muderno em um concerto memorável da série MPB Jazz. Malta e seu Pife Muderno arrebataram o Carnegie Hall em Nova Iorque e o Forbidden City Concert Hall, em Pequim, concerto este que virou o CD duplo Ao vivo na China, lançado em 2015. Comissionado pela OPES compôs e solou sua Rapsódia das Rochas Cariocas em homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, sob a regência do maestro Roberto Tibiriçá. O ano de 2017 já viu Malta e seu Pife Muderno brilharem no Celtic Connections, em Glasgow, Escócia e no Ground Up Festival em Miami, EUA. Carlos Malta segue esculpindo seus múltiplos timbres nos saxofones (barítono, tenor, alto e soprano), nas flautas (soprano, alto em sol, dó, baixo, piccolo) no pife, na di-zi e no shakuhachi , traduzindo através de seu sopro, a alma da música do Brasil .

Convidada 2018 - Michele Santana


 Michele Santana

Michele Santana é Mestre em Práticas Interpretativas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) sob orientação do Dr. Sérgio Azra Barrenechea. É Bacharel em Sopros - ênfase : flauta transversal -na UFRGS, sob orientação do Prof. Dr. Leonardo Loureiro Winter. Iniciou seus estudos musicais na Escola de Música Tio Zequinha, em Porto Alegre, onde estudou flauta-doce, com a professora Cláudia Dreyer, e posteriormente flauta transversal, com o professor Rodrigo Carraro. Concomitamente estudou de canto, violão e continuou os seus estudos e flauta-doce no Projeto Prelúdio da UFRGS. Participou do Coro Infantil da OSPA, pelo qual se apresentou na Ópera Carmen, Carmina Burana e Ópera O limpador de Chaminés sob regência de Túlio Belardi e direção teatral de José Paulo Vasconcelos. Atuou como solista frente a Orquestra do SESI/FUNDARTE, após ser selecionada no concurso para jovens solistas em 2010 e 2013. Fez parte do conjunto de flautas transversais ARSIS realizando diversas apresentações no estado ano de 2010. Tem participado de festivais de música como Femusc, Oficina de Música de Curitiba, Festival de Inverno da Unisinos, FIMP e de mastercalsses com renomados professores como Michel Debost, Alain Daboncourt, Lucas Robatto, Maurício Freire, Danilo Mezzadri, Michel Bellavance, Carol Wincenc, Philippa Davies, Ranson Wilson entre outros. Atualmente é doutoranda em Música no PPGM da UNIRIO com bolsa da CAPES.

Convidada 2018 - Odette Ernest Dias




Odette Ernest Dias


Estudou flauta transversal, história da música e estética no Conservatoire National Superieur de Paris, onde obteve em 1951 o primeiro prêmio em flauta e a primeira medalha de estética. Conquistou por unanimidade a primeira medalha de flauta no Concurso Internacional de Genebra (Suíça) e, em 1952, a convite do maestro Eleazar de Carvalho, veio para o Brasil para tocar na Orquestra Sinfônica Brasileira, onde permaneceu até 1969. Integrou também as orquestras da Rádio Tupi, da Rádio Mayrink Veiga, da Rádio Nacional e da TV Globo. Participou de gravações com inúmeros artistas da música popular, inclusive da histórica gravação, em 1958, de músicas de Tom Jobim por Elizeth Cardoso. Exerceu as funções de solista de orquestra, recitalista e camerista, sendo inclusive fundadora da Camerata do Rio. Atuou como professora do Conservatório Brasileiro de Música e dos Seminários de Música Pró-Arte (RJ).  Em 1969 deixou a OSB para integrar a Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio MEC, onde tocou até 1974. De 1974 a 1994, residindo em Brasília, foi titular da Universidade Federal de Brasília por notório saber, atuando como professora de flauta, estética e musicologia. Atuou também como professora visitante da Universidade do Texas, em Austin, nos Estados Unidos, em 1982; como professora visitante na Universidade Federal de Minas Gerais em 1992; e como professora convidada pela Fundação de Educação Artística em Belo Horizonte (MG). Exerceu as funções de pesquisadora pelo CNPq e de consultora do CNPq e da CAPES.  Seu interesse pela formação da música brasileira foi incentivo para a realização de pesquisas sobre este assunto, resultando em vários discos gravados, artigos e livros publicados, a participação em congressos especializados e realização de recitais frequentes no Brasil e no exterior.  Atuou como intérprete na trilha sonora de Rio de memórias, filme de José Inácio Parente. Publicou o livro Mateus-André Reichert: um flautista belga na corte do Rio de Janeiro, pela Editora Universidade de Brasília/CNPq.  Foi nomeada para fazer gestões e redigir a seção referente à atividade musical de Diamantina (MG) para o dossiê de tombamento da cidade como patrimônio da humanidade, encaminhado pelo Iphan à Unesco, e agraciada pela Funarte e pelo governo do Distrito Federal com a Comenda de Mérito Cultural por suas atividades musicais.  Mãe dos instrumentistas Carlos, Jaime, Elizabeth, Cláudia e Andréa Ernest Dias (além de Irene, que não se dedicou à música), toca frequentemente em duo com Elza Kazuko Gushikem (piano), com Jaime Ernest Dias (violão), Roberto Rutigliano (bateria) ou Bridget Moura Castro (piano).

Convidado 2018 - Marcelo Teixeira

Marcelo Lacerda / SóSaxofones


Luthier de saxofones, flautas, clarinetes e vários outros instrumentos de sopro. Apreciador da música, iniciou com violão aos 14 anos de idade e há 20 anos migrou para o saxofone. Formado em engenharia mecânica, atuou na ferrovia com foco na manutenção de máquinas, materiais Rodantes (locomotivas e vagões), equipamentos e Instalações de oficinas, montagens Industriais, sinagens, projetos de peças e equipamentos, gerenciamento e análises de risco, pesquisas para a nacionalização e fabricação de peças e equipamentos ferroviários, entre várias outras atividades técnicas. Sempre teve por hobie o modelismo e a ideia de criar uma oficina para manutenção de saxofones surgiu quando houve necessidade de intervenções em seus instrumentos. Não demorou muito para ficar envolvido com a lutheria juntando o prazer das atividades manuais, a música e o conhecimento técnico da sua formação. Ao longo dos últimos 15 anos estudou métodos utilizados por diversos luthiers, fez várias experiências com materiais alternativos, desenvolveu ferramentas específicas e técnicas de lutheria o que culminou na atual oficina de manutenção de instrumentos de sopro totalmente equipada e com vários clientes por todo o pais.

http://www.sosaxofones.com.br/

Convidada 2018 - Andrea Ernest Dias



Andrea Ernest Dias


Flautista da Orquestra Sinfônica Nacional–UFF, integra ainda os grupos Trio 3-63, Banda Ouro Negro, Carlos Malta & Pife Muderno, Banda de Câmara Anacleto de Medeiros, Orquestra Pixinguinha e Quinteto Pixinguinha. Participa regularmente das Bienais de Música Brasileira Contemporânea como solista e camerista convidada. Participa como flautista convidada na Temporada 2016 do Abstrai Ensemble. Doutora em Música pela Universidade Federal da Bahia, é autora do livro Moacir Santos, ou os Caminhos de um Músico Brasileiro (Edições Folha Seca/ CEPE), derivado de sua tese sobre o compositor. 
É idealizadora e diretora artística do Festival Moacir Santos. Como solista, lançou os CDs Muacy-Trio 3-63 (Sambatown, 2014), Em torno de Villa-Lobos (Fina Flor, 2010),  Choros Amorosos (Fina Flor, 2010), Trio 3-63 (Sambatown, 2009) e Andrea Ernest Dias - flauta e Tomás Improta – piano (Biscoito Fino, 2005). Participou de premiados títulos da discografia brasileira e sua flauta é ouvida em gravações para Caetano Veloso, Chico Buarque, Moacir Santos, Baden Powell, Guinga, Edu Lobo, Cássia Eller, Rosa Passos, Milton Nascimento, Dona Ivone Lara e Zé Kéti, entre outros artistas da MPB.

Convidado 2018 - Carlos Rato


Carlos Rato

Natural de São Carlos, São Paulo, Carlos Seabra Rato, teve a sua formação acadêmica realizada em São Paulo. Ao mudar-se para o Rio de Janeiro, atuou entre 1960 e 1993 como flautista e flautinista das mais importantes orquestras sinfônicas no Rio de Janeiro, dentre elas, a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a Orquestra Sinfônica Nacional e a Orquestra Sinfônica Brasileira. Sobre a sua primeira conquista profissional importante na cidade do Rio de Janeiro, a aprovação no concurso para a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal. Rato trabalhou como professor de flauta no Instituto Villa-Lobos da UNIRIO e realizou apresentações como solista de importantes concertos, dentre eles: Concertos de Vivaldi e o Pergolesi, sob a regência do maestro Eleazar de Carvalho; o Concerto em Ré Maior  de Mozart, sob a regência do maestro Issac Karabtchevsky.

Convidada 2018 - Claudia Castro







Claudia Castro


Cláudia Castro  é mestre em Administração das Artes pela Universidade de Boston, mestre em Música pela Universidade de Nova Iorque, onde estudou com o flautista americano Keith Underwood; bacharel em Música pela Universidade de Brasília, formada pelas flautistas Odette Ernest Dias e Beatriz Magalhães Castro. Iniciou seus estudos de flauta transversal na Escola de Música de Brasília com Nivaldo de Souza. Participou de festivais internacionais de música na Alemanha, Inglaterra e Brasil, sob a regência dos maestros Eleazar de Carvalho, Dante Anzolini, Roberto Minczuck, Martin Fischer-Diskau, Aylton Escobar e Roberto Duarte. Como gestora cultural, especializou-se em gestão de instituições artísticas nos Estados Unidos onde atuou no Conservatório de Boston, no The Nora Theatre Company e Project STEP (String Training Education Program) realizando planejamento estratégico, gestão de projetos artístico-culturais, treinamento de gestores culturais, comunicação institucional e desenvolvimento. No Brasil, atuou na área de cooperação técnica internacional (Brasil, Reino Unido, EUA e países ibero-americanos) como coordenadora de cultura da Organização dos Estados Ibero-Americanos e no Ministério da Cultura. É professora de música da Secretaria de Educação de Brasília, atualmente cedida ao Instituto Brasileiro de Museus. Em 2017, assumiu o cargo de Diretora do Museu Villa-Lobos no Rio de Janeiro.

Programação do 3o Encontro Carioca de Flautas 15/11/2018




É com grande prazer que anunciamos a realização  do 3º Encontro Carioca de Flautas a ser realizado no Instituto Villa-Lobos da UNIRIO no dia 15 de novembro de 2018.
O 3º Encontro Carioca de Flautas tem por objetivo congregar a comunidade ligada a esse surpreendente instrumento, pretendendo abranger todas as possíveis atuações relacionadas, sejam flautistas profissionais, estudantes, técnicos e construtores, professores, incluindo também todas outras atividades relevantes. A programação inclui masterclasses, workshops, mesa-redonda, lançamentos, exposição de produtos e concertos.
Os convidados para as atividades são:  Andrea Ernest Dias / OSN-UFF, Carlos Malta, Carlos Rato, Claudia Castro / Museu Villa-Lobos, Claudio Frydman, Felipe Braz / OSBM, Marcelo Teixeira / SóSaxofones,  Michele Manica / PPGM – UNIRIO, Nilton Moreira / UFJF,  Odette Ernest Dias,   Paula Martins / OSBM,  Pauxy Gentil Nunes / UFRJ e Sérgio Barrenechea / UNIRIO
Os músicos convidados são:   Almir Côrtes, Cliff Korman, Francisca Aquino, Lourenço de Vasconcellos, Maria Luisa Lundberg,  Matheus Maciel e Paulo André Tavares.

A programação está simplesmente maravilhosa!  Venha celebrar conosco o fazer flautístico em uma interessante gama de possibilidades.
 PROGRAMAÇÃO
- 9:00 às 10:00 - Inscrições e Exposição de Produtos - Hall de entrada do IVL 
- 9:00 às 11:00 – Workshop “Flauteando” com Paula Martins
Sala Alberto Nepomuceno 
- 10:00 às 12:00 – Masterclasse – Odette Ernest Dias - Sala Villa-Lobos 
- 12:00 às 13:00 – Concerto Solar  - Sala Villa-Lobos  com Michele Manica e Nilton Moreira 
- 14:00 às 16:00 – Workshop de improvisação com Nilton Moreira - Sala Villa-Lobos 
- 16:00 às 18:00 – Mesa-redonda "Assuntos flautísticos "  -  Sala Alberto Nepomuceno
Claudia Castro, Celso Nascimento, Marcelo Teixeira, Pauxy Gentil Nunes e  Odette Ernest Dias  
- 18:00 – Concerto Lunar - Sala Villa-Lobos 
Carlos Malta, Carlos Rato, Duo Madeira Rio - Felipe Braz da Silva e Mateus Maciel, Odette Ernest Dias, Pauxy Gentil Nunes e Andrea Ernest Dias e  Claudio Frydman

As inscrições podem ser feitas pelo formulários:  http://encurtador.com.br/dqyD1

Ficha Técnica

Coordenação Geral e Idealização: Sérgio Azra Barrenechea
Secretaria: Pedro Ivo Rosa e Roberto Mangeon
Técnico de áudio: Gilson Rodrigues e Paulo Guilherme Delorenci
Divulgação: Julio Cesar Lopes
Webdesign:  Michele Santana Manica (doutoranda PPGM)
Formatação texto: Jéssica Marinho
Apoio áudio: Bernardo Brandão
Pré-produção: Marina Zambom Gambini, Munique de Melo Cruz, Maíra Cruz e Patricia Severino
Equipe de apoio: Vinicius Correia e Midian Miguel, bolsistas PIBCUL/UNIRIO

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Convidado 2018- Claudio Frydman

Claudio Frydman



Claudio Frydman é músico e professor, nascido no Rio de Janeiro (RJ). É bacharel em flauta transversal pela UNIRIO (na classe de Laura Tausz Rónai); na mesma instituição foi aluno de flauta doce de Helder Parente. É Mestre em Musicologia histórica (EM-UFRJ, 2008) e Doutor em Teorias e Práticas Interpretativas (IVL-UNIRIO, 2014). Já participou de masterclasses de flautistas como Aurèle Nicolet, Sandra Miller, Conrad Steinmann, entre outros, além de Festivais de música como Juiz de Fora e Curitiba, onde estudou flauta transversal barroca com Lívia Lanfranchi e Ricardo Kanji. Entre 1999 e 2004 integrou o Grupo Fontegara (com Helder Parente e Fernando Moura). É membro fundador (2002) da Camerata Quantz, hoje Orquestra Barroca da UNIRIO (OBU), onde permaneceu até 2015. Já formou duos com cravistas como Eduardo Antonello e Clara Albuquerque, além do pianista Jorge Vergara; hoje integra o Studio 415, grupo de câmara dedicado ao Barroco. É autodidata no estudo de flautas chaveadas de sistema simples e entusiasta de seu repertório (antes do império do sistema Boehm, na
segunda metade do século XIX).

Convidado 2018 - Pauxy Gentil-Nunes

 Pauxy Gentil-Nunes


Compositor e flautista. Mestrado em Composição e Doutorado em Línguagem e Estruturação Musical. Professor de Harmonia, Análise e Composição na Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atividade contínua com obras musicais executadas e gravadas no Brasil e no exterior. Prêmios consecutivos com comissões para as Bienais Contemporâneas da Música Brasileira – 2013 e 2015 – pela Fundação Nacional das Artes – FUNARTE. Participação, em 2015, como conferencista e compositor na EXPO 2015 Milano. Participação como compositor nos CDs Orquestra Sinfônica Nacional interpreta Compositores de Hoje (2016) e  Trio Paineiras interpreta Compositores de Hoje (2017). Participação no Festival Internacional RC4  com o espetáculo de sua autoria, Liberjongo (2017). Membro do grupo de pesquisa MusMat, focado em aplicações de modelos matemáticos em composição. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Membro do ABSTRAI Ensemble desde 2011.

Convidados 2018 - Duo Madeira Rio

Duo Madeira



O duo foi criado no começo de 2017, formado pelo flautista Felipe Braz, que é Flauta solo da Orquestra Sinfônica de Barra Mansa, professor no Projeto Música nas Escolas e professor no Conservatório de Música de Nitéroi (RJ), formado pela Unirio onde estudou com o Prof. Dr. Sérgio Azra Barrenechea e o violonista Matheus Maciel, professor de violão e formado em Licenciatura em Música pela UBM e Bacharelando pela Ufrj.
Em um recital realizado pelo violonista Matheus Maciel em Barra Mansa, se encontraram e tiveram a ideia de formar o duo com um repertório variado. A proposta do duo é divulgar a música de câmara erudita brasileira e popular e também a divulgação de novos compositores, para a formação de flauta e violão.
O Duo Madeira Rio fez seu primeiro concerto em umas das principais salas de concertos de Niterói, o Solar do Jambeiro e tem se destacado pelo seu virtuosismo e pela simpatia com o público. Seu repertório é formado pelos compositores: Piazzola, Maximo Pujol, Tedesco, Marco Pereira, Roberto di Marino,Francisco Mignone entre outros,tiveram a participação no 1º Festival Internacional de Música em Barra mansa, onde participaram de masterclass com os professores Eduardo Monteiro, professor de flauta da UFRJ e Graça Allan, professora de violão da UFRJ.

Convidado 2018 - Nilton Moreira

Nilton Moreira





Nilton Moreira é um flautista brasileiro das Minas Gerais. Ele representa a nova geração de flautistas emergentes na comunidade musical brasileira. Sua carreira é destacada pela interação entre música popular e clássica, atuando na cena popular e também tocando repertório clássico, com Orquestras e
grupos de câmara. Nilton Moreira é doutor em Música pela UNIRIO, mestre em Performance musical na UFMG e Bacharel em Flauta Transversa pela Escola de Música da UFMG. Atualmente é professor do Departamento de Música da UFJF. Nilton participou de vários festivais de música,: Convenção NFA (Charlotte - EUA, 2012), a Convenção AFE (Sevilla - Espanha, 2014), James Galway Festival (Weggis - Suíça), Curitiba Music Festival (Brasil, 2003). Destacam-se na carreira de Nilton apresentações internacionais como: Concerto na Indiana University (EUA), na Convenção do Centro Latino- Americano de Música em 2012; show em Montreal (Canadá), com o grupo Patuá, no teatro MAI, em 2016. 
No ano de 2017, Nilton lançou o CD “Entremeando” no World Flute Festival, (Argentina), na Universidade de Aveiro (Portugal); no Espacio Incluir (Chile) e no Centre des Musiciens du Monde (Canadá). Em 2018, Nilton se apresentou no Canadá, na Sala Koerner Hall (Toronto) e no Conservatoire de Montréal; se prepara ainda para tocar em mais dois eventos internacionais: National Flute Association (Orlando, EUA) e Dutch Flute Association (Holanda). Nilton é membro fundador do Club du Choro de Montréal (Canadá). Ganhou o prêmio de 2o lugar no Concurso Artista Jazz no Congresso da National Flute Association, nos Estados Unidos, em 2018. Nilton Moreira participou de outros concursos, com as seguintes premiações: No ano de 2003 ganhou os concursos Jovem Solistas da UFMG Foi vencedor também do concurso Jovem Músico BDMG, onde realizou um recital na Fundação de Educação Artística, em Belo Horizonte.
 Em 2004 foi finalista dos concursos Weril para sopros. Foi finalista também do concurso Henrique Niremberg de música de câmara. Em 2005 ganhou o concurso Jovem Instrumentista BDMG e o concurso “Orquestra para Todos” da Orquestra
Sinfônica Brasileira, onde, através desse concurso, participou de um estágio e realizou um concerto com a OSB, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro em dezembro de 2005. Estudou improvisação com o professor Mauro Rodrigues, como premiação pelo concurso Jovem Instrumentista BDMG. Nilton gravou um CD com o Sexteto Patápio Silva, contendo várias composições de Patápio Silva. Nilton também atuou como arranjador e produtor deste CD. Foi flautista da Orquestra da UFMG e da OSB Jovem. Já atuou também como músico convidado junto à Orquestra Filarmônica de MG, Orquestra Sinfônica Nacional e Orquestra Ouro Preto.

Convidada 2018 - Paula Martins

Paula Martins







Mestre em Ensino das Práticas Musicais, desenvolveu no PROEMUS (UniRio) sob a orientação do professor Dr. Sérgio Barrenechea, um método direcionado ao ensino da flauta transversa para crianças até 12 anos de idade denominado Flauteando. Bacharel em Flauta Transversa pela UFRJ, estudou com os professores Eduardo Monteiro e Afonso Oliveira. Participou de Masterclasses com diversos flautistas, entre eles: Rogério Wolf, José Ananias, Michael Faust, Jacques Zoom e Emmanuel Pahud. Como professora, desenvolve um trabalho de ensino da flauta transversa para crianças no Projeto Música nas |Escolas, na cidade de Barra Mansa.

 

sábado, 27 de outubro de 2018

Programação do 3o Encontro Carioca de Flautas
15 de novembro de 2018 - Instituto Villa-Lobos - UNIRIO

A Programação para o 3o Encontro Carioca de Flautas está simplesmente maravilhosa! Venham celebrar conosco, no dia 15/11/2018 no Instituto Villa-Lobos, o fazer flautístico em uma interessante gama de possibilidades.

9:00 às 11:00 Workshop Flauteando com Paula Martins – Sala Alberto Nepomuceno

10:00 às 12:00 Masterclasse com Odette Ernest Dias – Sala Villa-Lobos

12:00 às 13:00 – Concerto Solar – Sala Villa-Lobos
Michele Manica e Nilton Moreira

14:00 às 16:00 – Workshop de improvisação – Nilton Moreira – Sala Villa-Lobos

16:00 às 18:00 – Mesa-redonda – Sala Alberto Nepomuceno
Pauxy Gentil Nunes, Claudia Castro, Marcelo Lacerda, Odette Ernest Dias e Celso Nascimento

18:00 às 20:00 – Concerto Lunar – Sala Villa-Lobos
Carlos Maltas, Claudio Frydman, Odette Ernest Dias, Carlos Rato, Pauxy Gentil Nunes e Andrea Ernest, Duo Madeira Rio (Felipe Braz da Silva e Matheus Maciel)

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Em breve será publicada a programação do 3o Encontro Carioca de Flautas!!
Acompanhe aqui!